Quanto Menos, Melhor – Leitura Recomendada

O livro Quanto Menos, Melhor talvez não seja muito conhecido como tantos outros, mas sua leitura é altamente recomendada.

Independente do trabalho que você exerce há sempre algum compromisso que parece ser importante, mas no fundo não é.

Digo isso porque atualmente vivemos dias corridos e estressantes. Nunca foi tão fácil encontrar o que desejamos, mas ao mesmo tempo nunca foi tão difícil ter poucos compromissos.

Foi pensando nisso que o autor Leo Babauta resolveu escrever o livro Quanto Menos, Melhor, onde ele conta:

  • Por que é importante ter menos tarefas;
  • Como criar novos hábitos;
  • O que fazer para ter metas bem definidas e traçar um plano para alcançá-las;
  • Criar hábitos saudáveis;
  • Desacelerar e viver o agora.

Quanto Menos, Melhor

Quanto Menos, Melhor – Leitura Recomendada

Ao ler rapidamente o título do livro alguém pode pensar que o autor está propondo uma vida longe da tecnologia, algo como isolar-se em uma cabana no meio da floresta. Porém, não é nada disso.

A proposta do livro é a busca por um meio-termo, primando pela simplicidade. E, para tal, pode-se resumir em dois passos:

  1. Identificar o que é essencial;
  2. Eliminar o resto.

O autor conta sua própria trajetória de vida e diz que, inicialmente, tentou implementar alguns hábitos sem sucesso. Num determinado momento, ele canalizou todas as energias para uma única coisa: parar de fumar. E conseguiu!

Posteriormente, ele seguiu os mesmos passos para outros hábitos, obtendo sucesso e sempre concentrando em uma coisa de cada vez.

Quanto Menos, Melhor – Resumo

O propósito do livro não é ensinar a correr uma maratona, mostrar uma dieta milagrosa ou como parar de fumar, mas sim mostrar como simplificar a vida e ser mais produtivo realizando menos atividades e fazendo disso um hábito.

O livro é dividido em duas partes, sendo a primeira mais conceitual e a segunda mais prática.

No Brasil, Quanto Menos, Melhor (título original: The Power Of Less) foi traduzido por Maria Alice Capocchi e publicado pela Editora Sextante, no ano de 2010.

Parte I: Os Princípios

Essa é a parte do livro onde ele aborda os seis princípios da produtividade:

  1. Estabelecer limites;
  2. Escolher o essencial;
  3. Simplificar;
  4. Manter o foco;
  5. Criar novos hábitos;
  6. Começar com pouco.

Primeiramente é preciso estabelecer limites, pois senão vai totalmente contra a proposta do livro Quanto Menos, Melhor, que é reduzir o número de atividades.

Tendo ciência dos limites, parte-se para os passos seguintes, que é escolher o que realmente é importante e, se essa tarefa for muito complexa, dividi-la em tarefas menores, simplificando todo o processo.

Para que tudo corra bem é necessário manter o foco, eliminando-se todo o tipo de distração possível.

Também é necessário criar novos hábitos, no qual ele chama de desafio e propõe 30 dias. Para isso, deve-se escolher um único hábito que se deseja implementar, tomar nota do plano, compartilhar a meta, fazer um relatório diário e comemorar o novo hábito. Para que dê certo deve ser algo fácil de realizar e mensurável.

Outro ponto importante de Quanto Menos, Melhor é que uma mudança, para ser consistente, deve ser feita aos poucos. Mudanças radicais podem trazer resultados em curto prazo, porém dificilmente se manterão.

Parte II: A Prática

Metas e projetos simples – Para começar a prática, o autor propõe que se inicie com metas e projetos simples. Isso pelo fato de que agindo assim fica mais fácil para cumprir as metas. Entretanto, deve-se ter uma única meta no ano, chamada de “A Meta” e dela serem desdobradas metas e tarefas menores.

Tarefas simples – Simplificar as tarefas é outro ponto central de Quanto Menos, Melhor e, além disso, no início do dia, devem ser definidas no máximo 3 tarefas mais importantes (ou TMIs), que devem ter prioridades sobre as demais.

Gestão simplificada do tempo – O autor propõe uma continuidade dos passos citados acima e, além disso, que para uma maior produtividade, a pessoa deve conhecer suas prioridades, reduzir a quantidade de tarefas, dividir tarefas menores em lotes e utilizar ferramentas simples para gerir o tempo.

lista - Quanto Menos, Melhor

Simplificando seu e-mail – Um dos maiores vilões de hoje em dia, o e-mail, quando vindo em grande quantidade, mais atrapalha do que ajuda. Para isso, o livro Quanto Menos, Melhor propõe impor limites à caixa de entrada, limitar o tempo dedicado aos e-mails, reduzir a quantidade de mensagens e escrever menos.

Também é sugerido que se estabeleçam menos horários para se trabalhar com e-mail, no máximo duas vezes ao dia.

Simplificando a navegação na Internet – A Internet hoje não é apenas lugar de pesquisa, mas utilizamos para outras coisas, como relacionamento, compras e até trabalho. O problema é quando torna-se viciante.

E para isso não ocorrer, é preciso ter consciência de quais sites são visitados, traçar um plano, trabalhar desconectado (como produzir conteúdo offline) e disciplinar-se para evitar distrações.

São sugeridas três ferramentas online (em inglês) para controlar os sites visitados: Toggl, yaTimer e Tick.

Simplificando seu estilo de organização – É fácil se organizar, mas antes é preciso reduzir. Não adianta nada ter pilhas de papéis na mesa, pois isso confunde muito nossas ideias. E ter um sistema simples para arquivar os documentos funciona mais do que algo mais complexo. Como há uma grande produção de documentos digitais, é interessante que sejam armazenados online, ao invés de se criar pilhas e mais pilhas de papéis.

Esse tópico tem ótimas dicas para quem trabalha com escritório, mas pode ser aplicado também para a organização de documentos pessoais, como contas a pagar, correspondências, revistas, jornais e outros.

Simplificando sua agenda – Neste ponto a proposta de Quanto Menos, Melhor é fazer uma relação de todos os compromissos e, a partir daí, elaborar uma lista menor, constando aqueles que realmente são mais importantes, eliminando o que não é essencial e priorizando o que mais gosta de fazer.

Uma rotina mais simples – Na verdade, o autor sugere duas rotinas, uma matinal e outra noturna.

A rotina da parte da manhã deve conter de quatro a seis atividades, que devem preparar para o dia e estabelecer as metas, praticar exercícios físicos, ler e fazer algo que seja prazeroso e relaxante.

Sugere-se que a rotina noturna seja relaxante, como uma espécie de carregamento de baterias para o dia seguinte e que nela estejam atividades como passar um tempo com a família, desacelerar o ritmo após um dia longo, repassar o dia, relaxar antes de dormir e ler, escrever ou fazer exercícios.

Organize seu espaço de trabalho – Conforme está no livro Quanto Menos, Melhor, uma mesa de trabalho limpa ajuda a manter o foco e a desfrutar uma sensação de calma. Não apenas o espaço de trabalho deve ser organizado, mas também a casa, trará menos distrações e um resultado melhor nas atividades.

Leia também: Organização Do Seu Ambiente De Trabalho – Já Pensou Nisso?

Desacelere – Devido à intensidade da vida nos dias atuais, muitas vezes não prestamos atenção ao que acontece em nossa volta. E, para isso, é preciso fazer as coisas mais calmamente, como trabalhar, comer e dirigir mais devagar, de forma a curtir melhor a vida.

Saúde e boa forma – Dois assunto que estão em alta hoje e interligados são a saúde e a boa forma.

Especificamente nesta obra, Leo Babauta coloca que para uma boa saúde é preciso ter uma alimentação equilibrada e adequada, o que quer dizer que deve estar de acordo com a meta proposta. Se for preciso mudar os hábitos de alimentação, fazer isso de forma gradativa para melhores resultados.

A boa forma é, na verdade, o hábito de praticar exercícios físicos. Deve-se começar aos poucos, com alguns minutos por dia e, gradativamente, aumentando a frequência. Este hábito, na verdade, deve anteceder o da boa alimentação.

Uma palavrinha sobre motivação – Para atingir qualquer meta, um dos maiores desafios é encontrar motivação para persistir. Neste capítulo o autor fala que não é fácil encontrá-la todos os dias, haverá sempre momentos de altos e baixos. Porém, manter-se fiel à meta é o caminho para um resultado efetivo.

Conclusão

Há quem pense que ser produtivo é realizar várias tarefas de uma vez, mas já foi constatado que isso não funciona, pois fazendo-se várias atividades ao mesmo tempo a qualidade final não é a melhor e essas atividades demoram mais para serem completadas.

A proposta do livro Quanto Menos, Melhor é realizar o mínimo de atividades, priorizando-se as que são mais importantes e as que trazem mais prazer ao serem realizadas.

Fazendo menos tarefas a chance de fazer algo com qualidade é muito maior do que se fazer algo em quantidade, pois com um número menor de coisas a realizar é possível ter mais dedicação.

E muitas das tarefas que achamos sem importância acabam por consumir nosso tempo e nossa energia.

Recomendo a leitura desse livro, pois além de tratar de produtividade, que é um tema que eu gosto muito, é fácil de ler e de aplicar seus ensinamentos.

Espero que este artigo tenha sido útil a você. Grande abraço e sucesso sempre!

setas-para-baixo

Gostou deste conteúdo? Compartilhe com seus amigos!

  • Parece ser um ótimo livro!

    • É um dos melhores livros que já li e que trata de produtividade e qualidade de vida. Eu recomendo a leitura!
      Grande abraço e sucesso sempre!

  • É uma grande livro mesmo!
    Ótima recomendação!

    Abraços!

    • Concordo com você, Eric. E por ser um grande livro, eu o recomendo. 🙂
      Obrigado por sua participação. Grande abraço e sucesso sempre!